Cinco dicas para conseguir mais seguidores no Twitter

Padrão

O post de hoje contém algumas breves dicas para vocês conseguirem mais seguidores no Twitter. Foi algo que eu fiz para meus colaboradores no Torcedores.com e achei que era uma boa oportunidade para compartilhar também por aqui.

1 – Siga todos os seus amigos
Encontre seus amigos no Twitter e vire seguidor deles. Provavelmente, eles vão te seguir de volta, o que ajudará a aumentar a base de seguidores, e permitir que suas postagens sejam vistas por mais pessoas.

2 – Se afirme como um representante de um tema
Por que eu vou seguir você no Twitter? Porque você é um cara que escreve bem sobre o Santos, por exemplo. Ser representante de um tema específico ajuda seus seguidores a se identificarem com você.

3 – Faça postagens relevantes
Por que eu vou seguir você? Porque você posta coisas que eu considero relevante. Isso é primordial para você conquistar pessoas que não conhece. Pois senão vem a pergunta: se eu não te conheço, por que você é interessante para mim? Se você não souber a resposta, está um passo atrás.

4 – Interaja com perfis de relevância no seu tema
Se você é um conhecedor do Santos, interaja com perfis de conhecedores do Santos que tenham muitos seguidores no Twitter. Não precisa ser de jogador ou técnico. Pode ser de setorista do Santos, por exemplo. Se ele te responder, a chance de alguém ver e te seguir por causa disso é muito maior.

5 – Não tenha vergonha de pedir RT
Vamos supor o seguinte cenário. Você escreve sobre o Inter e segue jornalistas que cobrem o dia a dia do clube e possuem bastante seguidores no Twitter. Escreveu uma opinião relevante sobre o clube? Não tenha vergonha de pedir RT. Os jornalistas mais experientes, geralmente, dão RT para ajudar os mais jovens na divulgação do texto. E isso faz com que sua postagem seja vista por um número muito maior de pessoas.

O post foi útil para alguma coisa? Conto com o feedback de vocês!

Twitter: ferramenta útil e traiçoeira para os jornalistas

Padrão

Flavio Gomes

Na semana passada, tivemos o caso da demissão do colega Flávio Gomes, da ESPN Brasil, após xingar a instituição Grêmio e os seus torcedores no Twitter após a questionada vitória contra a Portuguesa, time que ele torce. Este caso fez trazer à tona uma reflexão: até onde um jornalista pode ir no microblog?

O Twitter é um caso de estudo constante, pois se trata de uma ferramenta ao mesmo tempo extremamente útil e traiçoeira para o jornalista. Útil como fonte de informação, exemplo da saída de Felipe Massa da Ferrari, anunciada por ele mesmo no microblog.

Mas a utilidade pode virar perigo em duas situações: quando o jornalista se rende apenas ao Twitter e não questiona, não apura, podendo ser vítima da ‘esperteza’ de algum fake. Ou se ele acredita tanto se tratar de uma ferramenta pessoal que se acha ao direito de fazer o que bem entender, inclusive “brincar” de forma mais agressiva.

O jornalista esportivo que abre uma conta no Twitter, por mais que não queira, tem a sua vida exposta, principalmente àqueles que trabalham com futebol, o esporte mais passional de todos. Escorado pelo anonimato que o microblog proporciona, o torcedor monitora, briga, xinga e em alguns casos até ameaça de morte, como foi o caso dos gremistas com o Flávio Gomes, segundo relatos dele próprio.

O jornalista, no microblog, fica com a sua opinião cerceada pela censura dos torcedores passionais. Além disso, fica praticamente proibido de torcer. Que profissional de imprensa que não tem vontade às vezes de reclamar de um jogador do seu time de coração quando o mesmo perde uma chance incrível de gol?

Por isso, muitos optam por excluir sua conta no Twitter, caminho escolhido pelo meu camarada Thiago Arantes, da ESPN Brasil, e que eu entendo perfeitamente. O fato é que, de uma maneira geral, nós não aprendemos a mexer no microblog e ainda não sabemos exatamente os riscos que corremos com ele. O que, no caso de Flavio Gomes e de outros profissionais demitidos por excessos nas redes sociais, pode acabar gerando consequências muito drásticas em suas carreiras.

Acho que a frase do Flavio no final da entrevista para Luiz Paulo Montes, que trabalha comigo no UOL, ilustra bem o que eu quero dizer. “A única coisa que lamento é que uma ferramenta de internet influencia decisões dramáticas. As pessoas não entendem direito o funcionamento”.

Sou favorável ao Twitter. Acho que o jornalista tem que saber utilizar, mas com moderação e desconfiança, o que é um desafio inclusive para mim. Felizmente ou infelizmente, a profissão impede que os profissionais de imprensa façam 100% do que tem vontade no microblog, e é assim que tem que ser.

Crédito da foto: Reprodução

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre esporte no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal