Opinião: Por que ninguém quer Ronaldinho Gaúcho?

Padrão
Getty Images

Getty Images

Por que ninguém quer Ronaldinho Gaúcho? Depois de ter saído do Atlético-MG no mês passado, o craque brasileiro não encontra nenhum clube para jogar. E não é por falta de tentativa do seu irmão e empresário, Assis.

A mídia esportiva já noticiou que Ronaldinho Gaúcho foi oferecido ao Santos, Palmeiras, Corinthians, Besiktas e New York Red Bulls, entre outros. Se a informação procede ou não, é difícil saber. Mas o fato oficial é que todos se apressaram para desmentir interesse no meia-atacante.

Predicados não faltam para qualificar Ronaldinho Gaúcho. Melhor jogador do mundo em duas temporadas, campeão do mundo pela seleção brasileira, um dos jogadores que mais conquistaram troféus importantes em toda a história. Ídolo do Barcelona, tutor de Lionel Messi…

Acesse a página do blog do Renan Prates no Facebook

Mas motivos para assustar os interessados também não faltam. Ronaldinho tem um histórico recente de noitadas e descompromisso com o dia a dia no clube. O meia saiu do Flamengo pela porta dos fundos e deixou o Atlético-MG antes que o mesmo pudesse acontecer. A conduta dúbia do seu empresário também causa receio. Assis tinha tudo acertado com o Palmeiras, mas no final aproveitou o leilão e acertou com o Flamengo. Quem não garante que ele fará o mesmo agora?

Ronaldinho não é o mesmo que encantou o mundo com a camisa do Barcelona, mas ainda pode ser muito útil, como foi para o Flamengo e o Atlético-MG, no início. O problema é o alto salário que ele pede.

Se fosse um gestor de um clube de futebol, aceitaria Ronaldinho se fosse por um contrato curto, com um salário baixo para os padrões brasileiros e mais ganhos por produtividade e venda por camisas. Motivado, Ronaldinho pode ser muito útil, ainda mais para o baixo nível apresentado pelos clubes brasileiros.

Crédito da foto: Getty Images

Texto originalmente publicado no site Torcedores.com. Seja um colaborador!

Ronaldinho Gaúcho: o craque que quase sempre faz menos do que se espera dele

Padrão

Ronaldinho

Ronaldinho Gaúcho é um craque. Isso é inegável. Mas cada dia mais tenho a certeza de que se trata de um jogador que, até por essa condição que possui, sempre faz menos que se espera dele. Dentro e fora dos gramados.

O que se espera de um jogador da envergadura dele entre os que atuam no futebol brasileiro em relação ao movimento dos atletas chamado Bom Senso FC? Que ele seja um dos líderes, não? Ou é esperar muito de Ronaldinho Gaúcho? E este é apenas um exemplo mais recente para ilustrar o título deste post.

Ronaldinho encantou o Brasil e os fãs sul-americanos ao comandar a campanha impressionante do Atlético-MG na primeira fase da Libertadores. O que se esperava dele na fase decisiva? Oras, que ele fosse o principal jogador do time, não? Mas foi campeão da competição como coadjuvante de Jô e Diego Tardelli.

Voltando um pouco no tempo. Ronaldinho Gaúcho chegou com pompas de ser uma das maiores contratações da história do Flamengo em 2011. Ganhou um Carioca logo de cara e aumentou ainda mais as esperanças do seu torcedor. Mas aí…Se envolveu em brigas com o então técnico Luxemburgo, passou a se deslumbrar com a noite carioca e acabou rompendo contrato.

Ronaldinho Gaúcho teve um período brilhante no Barcelona. Foi eleito melhor jogador do mundo, tinha a Europa a seus pés. Ganhou a Liga dos Campeões em 2006 e enfrentaria o Inter na final. Todos logo pensaram: ah, é barbada. Será goleada do Barça e Ronaldinho ganhará o prêmio de melhor jogador. O que aconteceu? O meia pouco fez em campo e foi ofuscado pelo gol de nada menos que ADRIANO GABIRU.

Em 2006, Ronaldinho também teve uma performance decepcionante na Copa do Mundo, quando muito se esperava dele. Mundial, aliás, não é seu ponto forte: ele foi coadjuvante de Ronaldo e Rivaldo no título de 2002 ao invés de ter um desempenho acima da média.

Não estou escrevendo este post para defender a tese de que Ronaldinho é um ‘enganador’. Como disse no início do post, ele é um craque. Mas por ser um jogador muito acima da média, acaba sendo cobrado por isso. E quase sempre acaba sentindo o peso de tanta cobrança ao fazer menos do que se espera, dentro e fora de campo.

Em dezembro, o Atlético-MG jogará a maior competição da sua história em Marrocos: o Mundial de Clubes. E Ronaldinho corre contra o tempo para poder se recuperar de contusão e jogar. Será uma boa oportunidade para provar que estou enganado.

Crédito da foto: Bruno Cantini/site oficial do Atlético-MG

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre o Atlético-MG no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Victor, e não Ronaldinho Gaúcho, merece uma estátua da torcida do Atlético-MG

Padrão

https://i0.wp.com/imguol.com/c/esporte/2013/07/25/24072013---victor-sai-para-comemorar-titulo-do-atletico-mg-apos-penalti-chutado-na-trave-1374724287208_615x300.jpg

A torcida do Atlético-MG ainda comemora (com muita razão) o título da Libertadores, mais de semana depois da conquista. Muito se fala sobre Ronaldinho Gaúcho, mas “o cara” da conquista foi o Victor.

O goleiro do Atlético-MG foi muito decisivo em partidas vitais para o clube durante a competição. Pela importância da conquista, que fez o clube voltar a conquistar um título de expressão após 42 anos, Victor merecia uma estátua como ídolo do clube.

Na final contra o Olimpia, Victor se destacou não somente na cobrança de pênalti, quando pegou uma das cobranças (após se adiantar muito, diga-se de passagem), mas também com duas grandes defesas quando a partida estava empatada sem gols.

Victor também decisivo na semifinal contra o Newell’s Old Boys. Na primeira partida, ele evitou que o Atlético-MG perdesse por uma diferença maior do que o 2 a 0. No jogo de volta, o goleiro foi decisivo na cobrança de pênaltis ao pegar o chute de Maxi Rodriguez e garantir o Galo na final inédita na sua história.

Acho que não preciso falar sobre as quartas de final né? O cara ‘só’ pegou uma cobrança de pênalti quase no último lance da partida contra o Tijuana. Se a bola entrasse, o Atlético-MG seria eliminado em casa, e ainda perderia de quebra uma longa invencibilidade no Independência!

Ronaldinho Gaúcho fez uma primeira fase primorosa na Libertadores, jogou muito bem nas oitavas contra o São Paulo, mas depois sucumbiu à forte marcação dos adversários e foi coadjuvante do título do Atlético-MG. Victor, que tem um custo mensal muito menor que o astro atleticano, foi decisivo na hora mais importante, e por isso merece ser alçado a condição de ídolo e receber uma estátua da torcida.

Crédito: AFP PHOTO / EVARISTO SA

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre Atlético-MG no UOL Esporte:

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal: