Saída de Gareca comprova: nosso futebol é preconceituoso e corporativista

Padrão
Getty Images

Getty Images

Não sou palmeirense, mas torci pelo sucesso de Ricardo Gareca no clube. Torci porque queria me enganar com a falácia de que existe lugar para treinador estrangeiro no futebol brasileiro. Não, não existe. Sabem por que? Porque nosso futebol é preconceituoso e corporativista.

“Uma situação difícil, um técnico estrangeiro no Brasil. É complicado. Não tive os resultados esperados. Queria ter ficado aqui e tirar o time desta situação ruim. O clube teve respeito comigo e entendo a decisão, não estou decepcionado com a diretoria. A decepção é com os resultados ruins”, falou o treinador.

Claro que Gareca teve erros. Poderia ter adotado o estilo Vanderlei Luxemburgo no Flamengo e ‘fechado a casinha’. Mas morreu com suas convicções. Torcedor palmeirense, faço um desafio: de 1 a 10, por ordem de importância: quais são os maiores culpados pela situação que o clube vive. Duvido que o treinador argentino esteja entre os cinco maiores.

Acesse a página do blog do Renan Prates no Facebook

O presidente Paulo Nobre remou contra a maré ao trazer Gareca para o Palmeiras. Contratou vários jogadores argentinos da confiança do treinador. Mas caiu novamente na vala comum dos dirigentes brasileiros ao demití-lo.

“Não tenho dúvidas de que o trabalho do Gareca daria certo a longo prazo”, disse Paulo Nobre. Ué, então por que não foi homem de segurá-lo?

Ninguém pode provar, mas quem garante que os jogadores deram o seu máximo com Gareca? “Temos que ter mais caráter em campo. Futebol é coletivo, não adianta metade correr e a outra metade não”, detonou o zagueiro Lúcio. Pra bom entendedor, meia palavra basta, não?

Os jogadores brasileiros são mimados. Não aceitam alguém que venha de fora ensiná-los o que fazer. Isso, pra mim, é corporativismo e preconceito.

Os treinadores, pelo menos no discurso para a imprensa, destilam arrogância com bravatas do tipo: “Quero ver como Mourinho e Guardiola se sairiam num campeonato como o nosso. Duvido que ganhariam”. Dá-lhe corporativismo. Dá-lhe preconceito.

O fracasso de Ricardo Gareca significa o fracasso de todos aqueles que queriam que, após o 7 a 1 da Alemanha, o futebol brasileiro fosse inundado por ideias novas, saísse do lugar comum, da soberba, da prepotência de que “somos os melhores” e fomos vítimas de um apagão.

Minha desilusão com o futebol só aumenta.

Crédito da foto: Getty Images

Texto originalmente publicado no site Torcedores.com. Seja um colaborador!

Kleina foi demitido, mas era o menor dos problemas do Palmeiras

Padrão

21set2013---tecnico-do-palmeiras-gilson-kleina-caminha-antes-da-partida-contra-o-sport-1379794266518_615x300[1]

Texto originalmente publicado no site Torcedores.com. Seja um colaborador!

O Palmeiras anunciou de forma oficial que Gilson Kleina não é mais o treinador do clube. A queda dele não chega a ser uma surpresa, assim como a constatação de que era o menor dos problemas.

A diretoria do Palmeiras tem se mostrado bastante perdida em todos os processos decisórios do clube. O diretor José Carlos Brunoro veio a público logo após a derrota para o Sampaio Correa na tentativa de acalmar os ânimos. Ele chegou a dizer que a tendência era de continuidade do trabalho. Horas depois, o site oficial informou a demissão do treinador.

Acesse a página do blog do Renan Prates no Facebook

Kleina errou em algumas decisões? Errou. Mas o elenco, que já tinha deficiências, perdeu ainda mais qualidade com a saída de Alan Kardec, que em muitas oportunidades atuava como uma espécie de ‘salvador da pátria’ do Palmeiras. Valdivia, que ganha R$ 700 mil por mês, mal consegue engatar uma sequência de jogos. Bruno César chegou como grande contratação e ainda sofre com problemas físicos.

E agora, quem deve vir? Já existe pressão por Vanderlei Luxemburgo. Não acho uma boa, pois ele só gosta de trabalhar com medalhões. Penso que o Palmeiras deve optar por novos nomes no mercado, como Guto Ferreira e Doriva, que estejam preparados para tirar muito dos atletas que a diretoria conseguirá contratar nessa política de contrato de produtividade. Se tiver que sonhar alto, que espere Gerardo Martino sair do Barcelona e ficar disponível para o futebol sul-americano. Se tiver que escolher alguém com mais experiência no mercado, que traga Dorival Júnior, cuja família tem identificação com o Verdão.

E aí, concorda com a demissão de Kleina? Quem você escolheria para o lugar? Comente na caixinha!

Crédito da foto: Rodrigo Capote/UOL

OPINIÃO NO TORCEDORES.COM:
Ricardo Alves: Palmeiras precisa de meio time para não ser rebaixado
Eduardo Gonçalves: Veja por que o Palmeiras deve apostar em Luxemburgo/a>
Matheus Adami: Trocar de técnico não é solução para o Palmeiras