O dia em que cobri protesto com 12 pessoas no Palmeiras

Padrão

gerente-adminstrativo-do-palmeiras-sergio-do-prado-conversa-com-a-torcida-na-porta-do-ct-09052011-1304969035333_615x300[1]

O post em questão não pretende abordar a grandeza ou a pequenez da torcida do Palmeiras, ou a capacidade de a mesma fazer protesto. Ninguém discute que o clube é um dos maiores do país e tem uma das torcidas mais numerosas. A ideia do post é relembrar uma história que ilustra bem a era dos ‘valentões do Twitter’ que vivemos.

Maio de 2011. O técnico do Palmeiras era Luiz Felipe Scolari. A situação do Palmeiras não era boa, pois o Verdão havia sido humilhado pelo Coritiba ao perder por 6 a 0 a partida de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

Segunda-feira seguinte, dia 9. O treino de sábado havia sido cancelado por causa do protesto violento no dia anterior. A diretoria do Palmeiras decidiu manter a atividade de segunda, mas reforçou a segurança na porta do CT do clube. E lá foi este repórter para cobrir o evento, crente de que o protesto seria ainda mais violento.

Ledo engano. Quando chegamos lá, e após esperar muito, 12 torcedores da TUP, uma das organizadas do Palmeiras, chegaram em alguns carros, e foram recebidos pelo então gerente administrativo do clube, Sérgio do Prado. Conversaram e foram embora, sem nenhuma agressão.

Relembre:
Palmeiras reforça segurança no CT, mas poucos torcedores aparecem para protestar

Antes da partida, o presidente da TUP parou para conversar com os jornalistas. Dentre as coisas que ele nos falou, algumas ficaram marcadas para mim. Ele disse que sabia que o protesto daria em nada, mas que teria que ir lá para marcar presença, senão iriam criticar a sua falta de atitude.

O presidente foi ainda além: disse que estavam combinando no Twitter parar a Avenida Marquês de São Vicente, local onde se situa o CT do Palmeiras. Que até gente do norte do país havia se comprometido a ir. Mas na hora da onça beber água, só doze compareceram.

O episódio aconteceu há três anos, mas alguns conceitos dele permanecem até hoje. Já reparou quantas das pessoas que provocam e xingam no Twitter, realmente fazem o mesmo na vida real? O mundo virtual permite a proliferação do pior tipo de ser: aquele que age pelas sombras, sob a máscara do anonimato.

Quando fui setorista do Corinthians, já cheguei a ser ameaçado no Twitter. Me disseram que iriam na cabine de imprensa no Pacaembu só para tirar satisfação, porque segundo eles eu fazia parte de uma imprensa que só quer falar mal do Timão. Mas a intimidação ficou só pelo microblog e nunca se concretizou.

Estes exemplos do futebol podem ser usados em outras áreas da vida. Pense nisso!

Crédito da foto: Renan Prates/UOL

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre o Palmeiras no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Anúncios

Palpites do Pai Renan de Ogum: São Paulo passa para a final e Atlético-PR é campeão

Padrão

Muricy

Retomando os palpites do Pai Renan de Ogum, não vou fugir da raia e vou opinar sobre as duas partidas decisivas que se iniciam nesta quarta-feira pela Copa Sul-Americana e Copa do Brasil, que envolvem brasileiros.

Sem mais delongas, vamos lá:

São Paulo x Ponte Preta
São Paulo tem tudo para ganhar, e vai ganhar. A tendência é que seja sem sobressaltos, mas nunca se sabe, né? Também achei que o Vélez passaria fácil pela Ponte Preta…

Atlético-PR x Flamengo
Atlético-PR tem mais time, é mais estruturado e vai levar. A única chance do Flamengo é se prevalecer o fator torcida e o peso da camisa no segundo jogo.

E vocês, concordam comigo?

Opinem!

Crédito da foto: Julio Cesar Guimarães/UOL

Em tempo:
Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Se superar problemas internos, Fla tem chance única para salvar ano na Copa do Brasil

Padrão

Jayme

Desacreditado e seriamente ameaçado de rebaixamento após a saída do técnico Mano Menezes, o Flamengo cresceu tanto com o interino Jayme de Almeida que agora está numa situação aparentemente tranquila no Brasileirão e terá a chance única de salvar a temporada com o título da Copa do Brasil. Mas para atingir este objetivo, o time carioca terá que superar novamente seus problemas internos.

O clima no clube não é bom. Um dos principais nomes do futebol do Flamengo, Paulo Pelaipe quase agrediu um dos assessores de imprensa em uma discussão no último final de semana. Mesmo sabendo da situação financeira calamitosa do time carioca, os jogadores cobraram as premiações atrasadas no sábado passado. E tudo isso perto do primeiro jogo decisivo da semifinal contra o Goiás.

Dentro de campo, apesar da baixa do goleiro Felipe, o Flamengo tem tudo para avançar para a final. O Goiás tem um time bem montado, mas é nivelado com o rival carioca, que tem a seu favor o peso da camisa e de sua torcida.

Se passar pelo Goiás, o Flamengo terá pela frente Grêmio ou Atlético-PR, que estão desgastados por conciliar a Copa do Brasil com o Brasileirão. O que faz o time carioca, mesmo tecnicamente inferior, equilibrar uma hipotética decisão com uma destas equipes.

Se for campeão da Copa do Brasil, o Flamengo salva o ano para se esquecer com um título de importância e, de quebra, se garante na Libertadores, o que significa um importante aumento nas receitas do clube. Se souber controlar o ímpeto de Walter e transformar as provocações do rival goiano em motivação, o time rubro-negro certamente se garante na próxima fase.

Para não perder o costume, faço um palpite, acho que a final será entre Flamengo e Grêmio, dois times de muita tradição no cenário nacional. Ao contrário do seu histórico diz, neste ano a Copa do Brasil não terá surpresas. Quem vencerá? Bom, aí já é tema para outro post.

Crédito da foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre o Flamengo no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Momento Pai Renan de Ogum: meus palpites para as quartas da Copa do Brasil

Padrão

Renato

No dia 18 deste mês, disse que teria um dia de Mãe Dinah e palpitaria sobre o Campeonato Brasileiro. Meu amigo Celso Paiva disse que preferia Pai Renan de Ogum, então vou obedecê-lo neste post semelhante sobre os palpites para a Copa do Brasil, que terá a disputa das quartas de final a partir desta quarta-feira.

Sem mais delongas, seguem meus prognósticos:

Corinthians x Grêmio: Acredito que será um duelo extremamente equilibrado, com dois empates e definição nos pênaltis ou no saldo de gols. Como não gosto de ficar em cima do muro, acho que dá Grêmio.

Inter x Atlético-PR: Jogo duríssimo para o Inter, que ganhará em casa e perderá fora. Definição do vencedor sairá no saldo de gols. Acho que dá Atlético-PR.

Goiás x Vasco: Goiás tem mais time que o Vasco e está melhor montado. O clube carioca tem que priorizar o Brasileirão, onde briga contra a zona de rebaixamento. Acho que dá Goiás, mas não será fácil.

Botafogo x Flamengo: Dois clubes estão em baixa e devem priorizar o Brasileirão por motivos diferentes. Mas mesmo com um time misto, o Botafogo é muito superior ao Flamengo e deve levar a melhor.

E você, concorda com os meus palpites? Dê a sua opinião!

Crédito da foto: Jefferson Bernardes/Preview.com

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre a Copa do Brasil no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Mais futebol e menos chororô com a arbitragem, por favor

Padrão

Luxemburgo

As oitavas de final da Copa do Brasil foram encerradas nesta quinta-feira. E o que se viu foi um show de reclamações de técnicos e dirigentes sobre a arbitragem durante as partidas.

O pior exemplo foi do técnico Vanderlei Luxemburgo. Ele, que já tinha reclamado após a derrota para o São Paulo pelo Brasileirão, foi ainda além na eliminação do Fluminense contra o Goiás ao falar de uma perseguição do ex-chefe da Comissão de Arbitragem contra ele.

Na teoria de Luxemburgo, Sérgio Corrêa da Silva é seu inimigo. Por isso, Luiz Flávio de Oliveira e seu irmão Paulo César, que são seus amigos, sempre o prejudicam nos jogos contra as equipes que ele comanda. O treinador, que é mestre em desviar o foco das atenções, deixou a atuação abaixo da média do seu time (mais uma vez) em segundo plano. Mas se o Tricolor carioca jogasse mais bola nas duas partidas, nada deste discurso seria necessário.

O Atlético-MG também abusou de reclamar da arbitragem. O presidente Alexandre Kalil chamou o juiz do empate contra o Botafogo de vagabundo e ladrão. Ronaldinho Gaúcho também chiou muito. Só que ambos não comentaram que o atual campeão da Libertadores levou SEIS gols em dois jogos, sendo que nenhum deles foi digno de contestação por irregularidade. Aí fica difícil classificar, né?

O técnico do Santos, Claudinei Oliveira, também reclamou do histórico caseiro da arbitragem na eliminação contra o Grêmio. Mas não foi o árbitro que perdeu o gol que o atacante Gabriel desperdiçou quando o jogo estava 0 a 0, ou foi? Foi o árbitro que errou defensivamente nos dois gols feitos pelo time gaúcho?

Não estou discutindo se as pessoas citadas acima tem razão nas reclamações que fizeram. Este não é o tema principal do post. A arbitragem brasileira, no modo geral, é fraca, e até quem foi árbitro reconhece isso.

O que discuto é que os técnicos, na sua grande maioria, esquecem de admitir as falhas do seu time e transferem a culpa dos resultados ruins para o desempenho dos árbitros. Equipe que vai bem, em 99% das vezes, ganha as partidas apesar de ser prejudicada pela arbitragem. Por isso, peço: mais futebol e menos chororô com a arbitragem, por favor.

Crédito da foto: Nelson Perez/Fluminense FC

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre esporte no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal