O importante é a vaga!

Foi duro, difícil, suado, mas a vaga veio. O Santos empatou com o Deportivo Lara por 1 a 1 e avançou para a terceira fase da Libertadores por ter vencido por 2 a 1 o primeiro jogo na Vila Belmiro.

O título deste post, O importante é a vaga, pode passar a impressão errada de que o autor destas linhas entrou para o time dos resultadistas de plantão. O que estou tentando é valorizar o contexto: é uma equipe em formação, repleta de atletas jovens, com técnico novo, inúmeros desfalques e que ainda foi acometido por um problema estomacal de última hora pouco antes da bola rolar.

O jogo em si não foi bom. O Santos teve dificuldades de sair da forte marcação do Deportivo Lara, que mais uma vez jogou com cinco defensores. Teve mais posse (66%), conseguiu chutar mais no gol (3 a 2), mas faltou ser mais assertivo na hora de concluir.

O ponto que merece atenção especial, como o próprio técnico Ariel Holan reconheceu depois da partida, é a falha de marcação nas bolas paradas, que voltou a acontecer no duelo da Venezuela assim como havia ocorrido na Vila. Ciente da deficiência do Santos, o Deportivo Lara só ameaçou desta forma, e ficou perto de levar a partida para a disputa de pênaltis.

O registro positivo fica para o primeiro gol de falta de Soteldo com a camisa do Santos (um golaço). O venezuelano foi premiado pelos treinos diários para se aperfeiçoar neste quesito. Em duelos equilibrados como esse, a bola parada se torna um diferencial que pode ajudar muito o Peixe na temporada.

O empate de ontem rendeu R$ 3 milhões nos cofres combalidos do Santos e garantiu o clube na disputa de uma competição continental deste ano – mesmo se for eliminado por San Lorenzo ou Universidad de Chile na próxima fase, o Peixe vai disputar a Copa Sul-Americana. E o melhor de tudo: deu fôlego para Ariel Holan seguir o seu trabalho de montagem da equipe longe das cornetas da opinião pública.

Até agora, Holan tem quatro jogos no comando do Santos: duas vitórias, um empate e uma difícil derrota para o São Paulo no clássico. Mas o que vale é que, mesmo com pouco tempo de trabalho, já existe uma ideia clara em campo do que o treinador pensa, e muito espaço para os jovens se desenvolverem.

Que o torcedor tenha paciência com as oscilações, e entenda que é um trabalho que vai render frutos a médio prazo.

Leia também no renanprates.com:

Pelé ‘humano’ é o grande legado do documentário

Quem sobe e desce no Santos com Ariel Holan?

10 perguntas para Cuca (e um agradecimento)

Gostou do texto? Achou ruim? Dê sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: