Jornalista pertence a uma classe que se destroi sozinha

Padrão

jornalista

Sou jornalista for formação e segui em esportes por uma mistura de paixão e oportunidade. Nestes 10 anos que estou na profissão, costumo me fazer perguntas.

Por que o jornalista ganha mal e tem um dissídio anual pequeno? Por que jornalista não faz greve? Por que jornalista não se mobiliza quando um colega é injustiçado? Por que o jornalista fica quieto quando não é defendido publicamente pelo seu chefe?

Acho que cheguei a uma resposta. Cada vez mais tenho certeza que o jornalista pertence a uma classe que se destroi sozinha.

Por que digo isso? Digo por ver o prazer no colega de profissão de criticar o trabalho do outro. Antes era em conversas reservadas. Com o advento das redes sociais, agora é em público mesmo. Só está faltando citar nominalmente o criticado, o que não deve demorar a acontecer.

Acesse a página do blog do Renan Prates no Facebook

Jornalista geralmente é odiado porque ‘põe o dedo na ferida’ (ao menos, deveria colocar). É odiado porque “distorce uma chamada só para ter mais audiência”.

Mas posso dizer uma coisa para você que não é jornalista: já vi casos que a pessoa que mais odeia um determinado jornalista é…um colega de profissão!

Vivemos num mundo onde qualquer um acha que pode ser jornalista. Até o diploma não é mais tão importante quanto era anos atrás. Nossa profissão está desvalorizada.

Costumo dizer que jornalista escreve para jornalista. Uma porque o colega de profissão é uma das únicas pessoas que lê uma matéria e vai ver quem assinou. Outra porque o ápice da vaidade no jornalismo é dar RT no elogio do outro – de preferência, um jornalista.

Se a gente dá tanta importância para a opinião do colega, por que não se unir a ele? Tenho certeza que se ao menos houvesse um ‘pacto de não agressão’, já seria um bom caminho para a nossa profissão ser mais valorizada.

Anúncios

Um comentário sobre “Jornalista pertence a uma classe que se destroi sozinha

  1. Infelizmente, jornalistas brasileiros, e por conseguinte, o jornalismo local como um todo, não sabem (e muitas vezes, evitam/não querem), emitir opinião institucional. Ficam nas falácias mundanas, pois é mais fácil e dá menos dor de cabeça. E quem os pode criticar com embasamento? Outro igual, quase sempre! Basta ver o que ocorre em época de eleições. É um tal de medir índices, de se buscar isso ou aquilo no candidato oposto ao que paga, ou potencialmente irá fazê-lo, sem sequer exprimir opinião própria. Se o Brasil é exponencialmente corrupto, muito se deve ao jornalismo de péssima qualidade que praticamos, onde o “se dar bem” vale mais do que “ficar bem”. Belo texto no qual faço coro, meu caro Prates.

Gostou do texto? Achou ruim? Dê sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s