Política interna: prejudicial ou necessária aos clubes?

Padrão

romario

Quero neste post abordar algo que considero um problema corriqueiro no dia a dia dos principais clubes do país: a política interna. Penso que em alguma oportunidades ela acaba engessando, e muitas vezes atrapalhando, o cotidiano nos grandes times nacionais.

Em tempo: sou favorável a que todos os clubes tenham uma oposição atuante, mas desde que ela cumpra o seu papel fiscalizador na medida certa. Barrar um projeto/ideia/ação só pelo prazer de barrar, sem um argumento razoável, é algo que apenas engessa o progresso.

Não conheço o projeto da cobertura do Morumbi a fundo para ter uma opinião mais profunda sobre o caso, mas será que não daria para haver um entendimento e não permitir que a Andrade Gutierrez abandonasse o projeto? A não ser que tudo isso que ocorreu não passe de uma estratégia entre a construtora e a situação para jogar a opinião pública contra a oposição em ano eleitoral.

Exemplo de gestão em 2012, quando conquistou os principais títulos possíveis para um clube brasileiro, o Corinthians agora se vê corroído pela crise política que mostra o presidente Mario Gobbi muito isolado e em ‘guerra fria’ com o ex-presidente Andrés Sanchez. E isso, coincidentemente ou não, ocorreu no mesmo tempo em que o time caiu de rendimento.

Talvez o maior exemplo que ilustra a minha abordagem tenha acontecido recentemente no Fluminense. Felipe Ximenes assumiu o comando de futebol e ficou pouco mais de um mês. O motivo? Entrou em rota de colisão com Celso Barros, que é o presidente da patrocinadora do clube, mas que muitas vezes acaba tendo mais influência no Tricolor carioca do que o próprio presidente de fato, Peter Siemsen. Mas essa queda de braço interna atrapalha, e muito, o dia a dia do clube.

O Palmeiras, por incrível que pareça, acabou se tornando um exemplo positivo. O presidente Paulo Nobre conseguiu a paz necessária para trabalhar após o fim da ebulição política e dá sinais que terminará o seu mandato com uma avaliação positiva e um bom trabalho. Será que se a política interna do Verdão estivesse efervecente, ele conseguiria os mesmos êxitos? Duvido.

Crédito da foto: Bruno Haddad/Fluminense FC

Em tempo:

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Anúncios

Gostou do texto? Achou ruim? Dê sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s