Turbulência, apagão e jogo que não terminou: a experiência de cobrir a seleção brasileira

Padrão

Seleção

Diiiiiiiiizem que não dou muita sorte para os times que eu cubro como jornalista. Relutei para concordar com esta tese até o dia 2 de outubro do ano passado, quando parti ao lado do amigo Paulo Passos para cobrir pelo UOL a seleção brasileira na carismática cidade argentina de Resistência, onde seria disputado o sem-carisma-algum Superclássico das Américas. Com o perdão do trocadilho infame, não é inadequado dizer que voltamos como os ‘herois da Resistência’ após vencermos tantos percalços. E o principal: com muita história para contar.

A CBF decidiu fretar o voo da seleção brasileira até Resistência e abriu para que os jornalistas tivessem a oportunidade de viajar no mesmo avião que os jogadores e a comissão técnica, até então comandada por Mano Menezes. E logo de cara, já fomos premiados com uma bela turbulência, que assustou a todos e foi motivo de reclamação dos atletas.

Mas a maior ‘emoção’ estava por vir no dia do jogo, quer dizer, da tentativa de um jogo. Uma sequência de três apagões deixou o estádio sem nenhuma condição de realização de uma partida de futebol profissional. Após idas e vindas, resolveram cancelar o duelo, e nenhuma partida foi realizada posteriormente por causa da falta de datas compatíveis. Em resumo: a seleção brasileira só teve uma partida cancelada por causa de apagão em sua história. Nem preciso dizer quem era o repórter que estava lá né?

Logo após o primeiro apagão, o Paulo saiu para apurar no estádio e eu fiquei com o relato da partida. Muitas informações desencontradas e muita tensão, da parte dos jogadores, dos jornalistas e da torcida, que deixou o local vaiando muito. As entrevistas aconteceram rapidamente, já que o horário do voo de volta era próximo ao fim do jogo.

Mas o último desafio ainda iria acontecer após a partida. Como ir direto para o aeroporto a tempo de embarcar se não conseguíamos achar um táxi? Ou vocês acham que a delegação da seleção brasileira iria sair mais tarde só para nos esperar? Sorte a nossa é que a polícia local nos ajudou e parou um veículo que era parecido com um táxi e nos levou para o aeroporto. Lá, ainda tivemos o ‘prazer’ de ver o sempre simpático Nicolás Leoz, presidente da Conmebol, degustando um belo lanche antes de voltar para o Paraguai.

Crédito: Mowapress/Divulgação

Foi assim que contamos a história:
De apagão a cancelamento, jogo da seleção é marcado por sucessão de micos; veja

Em tempo:
Acompanhe tudo sobre a seleção brasileira no UOL Esporte

Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Anúncios

Gostou do texto? Achou ruim? Dê sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s