Virou moda a injustiça de ‘fritar’ técnico no futebol brasileiro

Padrão

Confusão

Talvez pior do que demitir técnico é ‘fritá-lo’. E esta injustiça isso tem virado moda no futebol brasileiro. Vanderlei Luxemburgo sofreu uma fritura de duas semanas até ser demitido do Fluminense. Gilson Kleina tem trabalho contestado no Palmeiras e não deve continuar, assim como Claudinei Oliveira no Santos.

O que me incomoda nesses casos é a falta de transparência. Por que os clubes não comunicam aos treinadores que não vão contar mais com eles no final do contrato? Quem ganha com essa fritura?

O Palmeiras é o caso mais curioso. No Paulistão, Kleina perdeu nas quartas de final para o vice-campeão Santos e caiu nas oitavas da Copa do Brasil contra o Atlético-PR, que faz um belíssimo segundo semestre e disputa o título da competição. A obrigação que lhe foi dada, o treinador cumpriu com sobras: voltar para a Série A em 2014.

E o que Kleina ganhou com isso? A desconfiança. Os dirigentes do Palmeiras são incapazes de dar qualquer tipo de declaração que passe ao menos a impressão de que ele será o técnico em 2014. Que empolgação o técnico tem para terminar a temporada com esse ‘apoio’?

No Santos, inúmeros técnicos já foram cotados para a vaga de Claudinei que, apesar de algumas falhas, faz um trabalho muito melhor do que o apresentado por Muricy nesta temporada. Mas assim como no Palmeiras, os dirigentes santistas não fazem questão nenhuma de manifestar apoio público ao seu trabalho. Talvez isso explique o porquê de ele privilegiar tanto a retranca nas opções táticas que escolhe para escalar o time.

O Fluminense demitiu Luxemburgo e horas depois anunciou Dorival Junior. Será mesmo que a diretoria não tinha conversado com ele antes da demissão do antecessor? Duvido. A demissão foi uma decisão acertada, mas deveria ter acontecido duas semanas antes, quando o time carioca perdeu em casa para o Vitória mesmo com um jogador a mais.

Até o Corinthians, que sempre foi um bom exemplo de manutenção dos técnicos, tem hesitado demais para assegurar a presença de Tite em 2014. Será um sinal de uma mudança de postura para pior na cultura do futebol brasileiro? Se for, uma pena.

Crédito da foto: Rodrigo Capote/UOL

Em tempo:
Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Anúncios

Gostou do texto? Achou ruim? Dê sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s