Tumulto e plantão na delegacia: todo o ‘glamour’ de uma final de Sul-Americana

Padrão

Confusão

O segundo capítulo da final da Copa Sul-Americana no ano passado conseguiu ter mais histórias pitorescas que o primeiro. Foi a primeira decisão que eu cobri que não chegou ao fim.

Fui escalado para a cobertura ao lado do meu amigo João Henrique Marques. Para quem não se lembra, os jogadores do Tigre partiram para cima de Lucas e começou um tumulto generalizado no intervalo. Passaram-se os 15 minutos, e só o São Paulo voltou para o gramado. O que teria acontecido com os argentinos?

Eis que as TVs informaram, e a redação nos avisou: o Tigre não voltaria ao gramado. Os jogadores alegaram que foram agredidos pelos seguranças do São Paulo. Tensão, muita tensão. Falei para o João que iria para o vestiário do Tigre. Não vi quando o árbitro terminou a partida e foi decretado o título do Tricolor.

É difícil trabalhar em ocasiões como esta, porque as informações são muito desencontradas. Cada um diz uma coisa, e no calor do momento fica muito difícil checar quem está com a razão. Fui ouvir o desabafo do Tigre, quando veio a informação: eles vão dar queixa na polícia. Foi aí que tive a certeza de que a noite de trabalho não teria fim.

Eu e João fomos primeiro a um Distrito Policial e demos com a cara na porta, daí fomos ao correto. Chegando lá, estavam os jogadores, e aí começaram as histórias engraçadas. A primeira bizarrice foi que um membro da família de um dos atletas quase foi preso por desacato a autoridade por, como posso dizer…QUERER IR AO BANHEIRO!!! Ele queria ir, mas o local era dentro da delegacia, e os policiais estavam restringindo o acesso. O argentino ficou indignado e começou a discutir com as autoridades, que o ameaçaram. Não conseguia não rir de episódio tão bizarro.

Mas o melhor estava por vir, e seria protagonizado pelo grande João Henrique Marques. Ele ficou de passar um retorno do que estava acontecendo para a redação. Sua função era dizer quais jogadores do Tigre que estavam na delegacia. Ele passou sete nomes.

Até aí, tudo bem. Eis que veio a ligação da redação:

– João, tudo bem? Chequei todos os nomes que você me passou, só não achei um aqui. Coneridas. É isso mesmo?
– É sim, pode cravar.

João cravou, mas ele mesmo não tinha certeza. E falou isso para os amigos Diego Ribeiro, do Globoesporte.com, e Fernando Faro, do Estadão. Eis que um deles fez a pertinente observação:

– João, será que você não se confundiu quando o argentino disse que um dos jogadores estava con heridas (com feridas, em português)?

Sim. Toda a cobertura valeu a pena.

Crédito da foto: João Henrique Marques/UOL

Para quem ficou curioso, segue o link do relato da segunda final:

Lucas decide final tumultuada e São Paulo volta a ser campeão em jogo com abandono do Tigre

E o de uma das confusões na delegacia:

Durante depoimento à polícia, comitiva do Tigre causa tumulto e reafirma que foi ameaçada

Em tempo:
Veja a lista das matérias que fiz pelo UOL na minha página pessoal

Anúncios

Gostou do texto? Achou ruim? Dê sua opinião!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s